viver à deriva e sentir que tudo está bem...

A vida é uma colcha de retalhos. Todos da mesma cor...

Geraldo Costa

"Em tempos de engano universal, dizer a verdade é um ato revolucionário" (George Orwell)

Lagger Blues Machine Uma das bandas mais difíceis de categorizar do início dos anos 70

LAGGER BLUES MACHINE de Bruxelas, fundada em 1970 pelos irmãos Christian Duponchell (órgão) e Jean-Luc Duponcheel (bateria), juntamente com Jose Cuisset (guitarra) e Michael Maes (baixo).Essa formação inicial estava firmemente enraizada no mundo psicológico pesado dos anos 60, com alguns toques proto-prog, mas era basicamente uma jam band de forma livre em bruto que excursionou extensivamente com seu show mais famoso, tendo sido um festival de Bruxelas em outubro de 1970, onde tocaram com Wishbone Ash. Este também foi o show que foi gravado e posteriormente lançado como um álbum ao vivo de arquivo.


859.jpg

Em 1971, quando Vincent Mottoulle (órgãos) e Carmelo Pilotta (flauta, saxofone) se juntaram à banda, o foco mudou para um som de rock progressivo mais rico, emprestado não apenas da fusão entre jazz e rock de "Third" e angularidade de guitarra do King Crimson da Soft Machine mas também na forte ênfase da interação instrumental, muito parecida com a Moving Gelatine Plates ou Eiliff, mas no departamento de ritmo mostrou muito das marchas sensuais borbulhantes marcadas de Magma de Christian Vander. Apesar do aumento na interação composicional, o LAGGER BLUES MACHINE ainda mantinha uma brincadeira bastante orientada a jam através de sua ginástica instrumental que realizava parte da guitarra psicológica pesada e dos órgãos hipnóticos dos anos 60.

Após vários anos de turnê intensiva, a banda foi notada pelos registros da CBS, quando se tornaram uma das bandas mais importantes da Bélgica e, finalmente, no ano de 1972, eles gravaram e lançaram seu único álbum de estúdio, com o mesmo nome. Embora a brevidade não fosse o objetivo deles, com quatro das cinco faixas perto da marca dos sete minutos até as quatorze, no passeio indiferente pela progosfera, LAGGER BLUES MACHINE conseguiu desviar muitos desvios em várias faixas, não apenas prog, mas mais pesadas rock, blues, jazz puro e psicodelia mais destacada.


Geraldo Costa

"Em tempos de engano universal, dizer a verdade é um ato revolucionário" (George Orwell) .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/musica// @obvious, @obvioushp //Geraldo Costa