Vivi Becker

30 anos, leonina com ascendente em câncer, aspirante a escritora das coisas, bruxa nas horas vagas, amante de café, gatos, vinho, livros, filmes, séries, moda, tarôs e misticismos.

Quando o coração dói, mas seu pior inimigo é você mesmo

Uma reflexão sobre o término de um relacionamento e como nosso coração pode ser traiçoeiro de vez em quando.


broken-1631685.jpg

O mais difícil quando o amor acaba não é aquela dor no coração que parece que ele vai sair peito afora ou o nó que sufoca a garganta, ou as lágrimas que escorrem a rodo pelo rosto, mas descobrir que você era uma pessoa diferente do que você achava que era.

O amor é um prato que devia ser servido quente, mas muitas vezes somos nós mesmos que esfriamos esse prato, com nossas inseguranças e devaneios.

Muitas vezes você achou que lutava pelo seu relacionamento, mas ao invés disso estava só ajudando a boicotá-lo. Sim, todas as vezes que você pressionou seu parceiro a fazer ou não fazer algo que ele queria, era você mostrando que queria moldá-lo de alguma forma, e quantas vezes repetimos isso? Ou em quantos relacionamentos? E vimos todos eles acabarem da mesma forma, com a outra pessoa se sentindo sufocada e você ficando sozinha mais uma vez.

A gente não se apaixona pela pessoa, mas sim, por uma idealização dela, e ficamos muito tempo fazendo a pessoa real se tornar a idealizada.

Nós aprendemos que cometer certas atitudes são benéficas, desde que sejam por amor, e nessas atitudes acabamos anulando muito de nós mesmos, e anulando o outro. Na hora do término, vemos uma faceta nossa, que nunca queríamos ter visto, e isso dói mais do que o próprio término. Saber que você pode sofrer por alguém a ponto de pôr aquela pessoa acima da sua felicidade te faz pensar em muito do que você almejou para si a vida toda, e pensar no que você está fazendo com tudo isso. No final do amor, você acaba descobrindo que até mesmo humilhação faz parte de você e essa pessoa que você está vendo no término não é nada bonita, nem chega a ser sombra de você.

A gente tem que começar a aprender a sair de relacionamentos antes de tudo explodir, temos que começar a sair dessa quando os primeiros xingamentos vêm, pois é quando o respeito acaba. A gente tem que começar a aprender que relacionamentos estão ali para nos fazerem bem e não para nos fazer sofrer, e que viemos para esta vida para sermos felizes, não mártires de nosso coração.

É muito fácil ouvir dos outros que tal relacionamento não é bom para você, mas quando você está dentro de um relacionamento ruim o que você mais quer é que dê certo de alguma forma, não só pelo sentimento, mas também para que você não se sinta um fracasso, todos nós entendemos isso. E estamos errados nisso também, sair de um relacionamento que não faz bem para ti, é ser vitorioso, é ter escolhido a sua sanidade e a sua felicidade ao invés de um engano.

Por isso, da próxima vez que isso começar a acontecer contigo, escolha a si próprio, para muitas pessoas é difícil pensar mais com a razão do que com o coração, mas você sabe que a tua mente grita quando algo está errado, por isso escute a mente, pelo menos dessa vez.

E se você está passando por isso, calma, tudo vai passar, faça a escolha certa por sua dignidade, saia dessa, e quando você menos esperar vai ver que tudo sumiu. Recomeços são necessários na vida, para que possamos crescer e nos transformarmos em pessoas melhores.

Sempre existe uma nova história, um novo olhar, um novo palpitar, não se preocupe, o bom sempre está em algum lugar.


Vivi Becker

30 anos, leonina com ascendente em câncer, aspirante a escritora das coisas, bruxa nas horas vagas, amante de café, gatos, vinho, livros, filmes, séries, moda, tarôs e misticismos..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @obvious //Vivi Becker