xiuxiueig

Sussurros do desassossego.

Karina Angolini

A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida.

Risque sua vida, mas não tenha medo de rabiscá-la

"Se você nunca mudar o caminho, vai acabar exatamente onde parou"


rabisco.jpg

Desde que nascemos, criamos planos, idealizamos uma vida inteira e nos iludimos facilmente com promessas alheias; amamos muito, choramos, sorrimos, brigamos. E todos os eventos vivenciados nos levam até uma coisa: nossa própria identidade. Porém, algumas pessoas são extremamente apegadas às vivências, às pessoas, aos bens: elas bolam toda uma trajetória contando que tudo será exatamente igual daqui alguns anos, que as pessoas serão as mesmas, que ela será a mesma. Mas o que ninguém quer encarar é o fato de que nós mudamos: mudamos de roupa, de cabelo, de pensamento, de opinião e até mesmo de sentimentos; podemos mudar de religião, podemos mudar de carreira. Nós nunca somos, de fato; nós sempre estamos. Não adianta pensar que a vida está terminada, que tudo já foi feito e conquistado, pois SEMPRE haverá caminhos que não foram caminhados e gostos que não foram provados.

Sim, é fato que planejamos demais, que riscamos nossa vida linearmente, com todos as vírgulas, pontos finais e reticências; esquecemos, entretanto, que todos ao nosso redor possuem em sua posse uma caneta e também uma borracha, e a partir do momento em que somos seres sociais, rabiscamos as linhas dos outros e os outros rabiscam as nossas páginas também. Nem sempre tudo sairá como planejado. Cada ser humano é um universo, é inteiro, é livre. Como podemos ousar tanto a ponto de sonhar que aquela pessoa será sempre a mesma? Terá as mesmas ambições e as mesmas malícias? Isso seria uma baita ingenuidade.

Medo, há um tempo, deixou de fazer parte do meu vocabulário. Eu risco, mas também rabisco. Se algo não saiu como planejado, qual a razão para teimar? Claro que devemos tentar se acreditamos em algo, mas não podemos viver presos ao duvidoso "e se?". Se não foi de um jeito, amigo, vai ser de outro. Acredite: a vida tem uma maneira muito doida de alinhar as coisas, e com certeza você sabe bem disso. Quantas vezes você não foi prova disso? Você tem algo hoje que, ao olhar para trás, explica o motivo pelo qual algo não funcionou? Claro que isso nos traz dor, angústia. Mas passa. Acho que recebemos tudo aquilo que mandamos ao universo, sem balela. Defendo isso com garra porque sou prova viva dessa grande encrenca que é viver; sou prova de que as coisas são como são. Que temos que riscar, traçar, mas não tema em rabiscar tudo, fazer uma confusão, perder-se, levantar a cabeça e seguir em frente. Não estamos no mundo para vencer todas as batalhas, perder faz parte - e quão vitorioso é saber perder!

O que eu te digo, então, é: rabisque mesmo. Trace linhas tortas, lineares, mas trace. Se uma estrada acabou em desilusão, pegue a próxima. Mas, por favor, não fique parado. Não aceite ficar sem chão simplesmente porque caiu de degrau: é apenas um degrau, e não o firmamento todo. "Dói. Dói e não é pouco, mas faz um bem danado depois que passa". Afinal, qual a graça de viver sem se reinventar? Mude de nota, quem sabe você não estará acertando o tom; quem sabe você não encontre a melhor linha no meio de tanto rabisco?


Karina Angolini

A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Karina Angolini