xiuxiueig

Sussurros do desassossego.

Karina Angolini

A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida.

Eu nunca te disse, mas...

"Eu descobri que tentar não ser ingênua é a nossa maior ingenuidade, eu descobri que ser inteira não me dá medo porque ser inteira já é ser muito corajosa" (Tati Bernardi).


nunca te contei.jpg

Acho que nunca te contei, mas eu ainda choro baixinho antes de dormir. Choro de saudade, choro de medo. Mas choro principalmente por ter deixado que você matasse algo tão lindo dentro de mim: minha fé na relação a dois. Sei que talvez seja temporário - choque devido à frustração - mas sei também que o meu sentir foi muito belo, muito puro, e eu descartei tais sentimentos com uma pessoa tão rasa, tão vazia. Sim, eu desperdicei sentimentos. Escolhi dar uma cartada final com alguém descrente, tão vazio quanto a panela de brigadeiro que acabei de devorar. Você é vazio, cara. Isso me dói muito. Eu não consegui te encher - ou será que tu és tão autossuficiente que faz isso sozinho?

Eu nunca te contei, mas ainda penso na gente. Na gente junto, digo. Mas penso e deixo lá no passado. Você deve saber, mas você matou tudo isso, e pouco a pouco eu começo a aceitar. Não vou mentir e dizer que as vezes me custa, mas cada dia a dor é mais amena. Ela está sumindo, ficando pequenininha. Vou guardá-la sempre no meu coração: isso mesmo, guardarei a dor até conseguir lembrar de você e apenas sorrir, e logo ela deixará de ser dor para ser amor; mas não mais por você, por minhas cicatrizes. Aliás, deixa eu te contar, você vai me deixar uma bela cicatriz. Apesar dos pesares, já consigo enxergar sua partida como um livramento; as pessoas possuem livre arbítrio: eu escolhi acreditar no amor, e você, desde o começo, disse que não acreditava - mas tudo bem, você estava no seu direito. Porém, você feriu meu direito a partir do momento que deixou tanta desonestidade e sujeira contaminarem seu sentir - e pra piorar, você escondeu isso de mim sei-lá-por-quanto-tempo. E eu estou livre - para sempre - de uma pessoa rasa, vazia. Eu mereço o amor (agora se você não acredita, azar - ou sorte - a sua). Eu planto o amor, e apesar de ter entregue-o para alguém que não merecesse, eu ainda vou colhê-lo. Como tu não crê, tu não planta amor, e consequentemente não o recebe. Mas repito: direito teu. Se te faz feliz, abraça.

E por último, quero te contar outra coisa: eu fiquei baqueada e descrente no amor. Não estou em busca dele, mas o semeio a cada dia e espero um dia ser retribuída - e eu considero justa qualquer forma em que ele aparecer. Tive raiva, tive insônia, tive sudorese. Perdi a estima, perdi a esperança, perdi a vontade. Mas se tem algo que eu não perdi foi a coragem, juntamente com essa mania de ser intensa e inteira. Levanto do chão que você me jogou e ofereço outra vez a cara a tapa, mas dessa vez tenho uma armadura mais forte.


Karina Angolini

A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious //Karina Angolini