yasmincorbo

É necessário sair da ilha para ver a ilha.

Yasmin Corbo

Yasmin Corbo é publicitária, jornalista e escritora: adepta do olhar demorado, sincero e simples sobre si mesmo, as relações e a vida

Saudades

Saudade é uma coisa difícil de traduzir. Em dois sentidos. Primeiramente, porque só no idioma brasileiro existe uma palavra para definir a complexidade deste sentimento. E só na alma humana se desenvolve um vazio tão cortante.


vazio.jpg

Há distâncias e distâncias: umas com poder de minimizar, outras de inflamar. Machado de Assis disse que o vento apaga as velas, mas atiça as fogueiras.

O poder dessa condição - a de se estar longe - se expressa nas mais variadas dimensões: no desespero inseguro de quem não entende como o outro agora mesmo estava aqui e de repente partiu; na segurança de quem vê e escuta o outro de uma webcam, seguro e seu, mas sofre; na loucura irracional de quem sente falta daquele(a) que te abandonou.

A dor desse intervalo invisível - a saudade - se explica porque ele coloca a prova coisas visíveis; e talvez só ele tenha o poder de materializar um afeto: em frases, objetos, cheiros e gostos. É o dividir em locais diferentes patrimônios indivisíveis.

O homem racional dribla limites,visita camadas interiores tão profundas através da fé e da ciência, mas nunca conseguiu domar a tão temida saudade. A sua inteligência discerne as externalidades que fazem alguém estar longe, mas o seu sintoma é crônico, irreversível: aquele furo no peito, ferida ardida, uma amputação. Como explicar pro coração ressentido a presença da ausência?

As relações humanas são tecidas em linhas temporais, onde o afeto é fruto de algo construído linearmente, como se o valor daqueles momentos estivesse em ser plenamente alcançáveis, próprios, eternos. Amar e querer por perto é uma forma de dizer que se sabe o endereço da felicidade, de privatizá-la. Por isso a distância é uma lente para se enxergar as relações humanas de maneira mais pura possível.

Maravilhosos são os meios que a tristeza toma para nos aproximar da essência real da vida. Doloridas são as estradas solitárias. Com saudades, somos honestos feito crianças. Ela narra a nossa hipossuficiência. Nos torna mais humanos, responsáveis e vivos. Em qualquer circunstância, prova que relações de tempo e espaço, causa e efeito, presença e ausência podem ser rachados pela força propulsora dessa lacuna incurável, que só o conforto do outro pode curar.


Yasmin Corbo

Yasmin Corbo é publicitária, jornalista e escritora: adepta do olhar demorado, sincero e simples sobre si mesmo, as relações e a vida.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Yasmin Corbo